Strambinha, o Retorno; a.k.a. Nutella Linzer Cookies

maio 15, 2008 at 6:15 pm (misturando)

Tanto tempo calada, o stramblog está às moscas. Mas como hoje eu tive grandes novidades, vou romper o silêncio.

Antes de dar a boa notícia, vai uma explicação. Alguns amigos têm reclamado da falta de publicações, as pessoas assumem que é por falta de assunto, e volta e meia alguém manda por e-mail alguma coisa interessante para eu postar no blog. O problema é exatamente o oposto: excesso de coisa interessante para divulgar, e para defender meus extenuados neurônios eu tenho tentado manter um pouco de distância do computador.

Mas não muita. :-) Graças à postagem de um outro blogante fiquei sabendo da Martha’s Favorite Cookie Contest. Na mesma hora me animei e submeti as fotos de dois biscoitos que fiz nestes últimos tempos, Gingerbread Countenances (caretas de pão-de-mel) e Nutella Linzer Cookies (biscoitos de avelã recheados com Nutella). E surpresa, um deles foi escolhido como um dos 10 great prize winners. Como eu não assisto ao show na TV, fiquei sabendo somente hoje de manhã quando fui conferir se haviam novidades no site da Martha Stewart. Dá para assistir ao clip do show que apareceu na TV em 13 de maio pela internet (talvez seja preciso selecionar o segmento da Cookie Contest), a Martha começa a falar dos ganhadores aos 3 minutos do segmento, e a partir dos 4 minutos ela comenta sobre os meus biscoitos.

Cookie Contest WinnersTem também um slide show mostrando as menções honrosas e os grandes ganhadores. E para confirmar minha mania com o número 7, batata, meu biscoito é o sétimo da lista dos ganhadores.

O prêmio é o livro Martha Stewart Cookies, autografado pela autora. Estou bem feliz com a novidade, e claro, animada com a chegada do prêmio. Meu marido está mais animado ainda, ah ah ah. Na Páscoa experimentei uma receita do site da Martha Stewart que foi um sucesso com crianças e adultos (minha versão pode ser vista aqui).

Só fiquei um pouco chateada porque dois biscoitos que eu achei particularmente bonitos e diferentes não ganharam. Um deles, o impressionante Lotus Blossom Cookies, recebeu uma menção honrosa. Mas o lindíssimo May Flower Cookie, que na minha opinião merecia o primeiro lugar, nem foi selecionado.

Bem, ficam os agradecimentos ao ScottE por ter divulgado a competição (e os parabéns, ele também é um dos 10 ganhadores); à minha sogra, que no Natal de 2006 me pediu para fazer biscoitos e assim deu início a esta minha última mania culinária; aos amigos que apreciam minhas aventuras gastronômicas e me encorajam com seus muitos elogios; e finalmente ao meu marido (ele mesmo, criador dos Gingerbread Zombies, aqui e aqui) por inspirar, incentivar e devorar meus experimentos.

Link Permanente 7 Comentários

Pão de Gergelim e Queijo Cheddar

janeiro 15, 2007 at 9:15 pm (misturando)

img_0705_peq.jpg Não há nada como um pão fresquinho, feito em casa. A receita abaixo foi traduzida de Bread For All Seasons, por Beth Hensperger. Este é um pão da primavera… deve ser pelas sementes de gergelim, associadas com a quaresma, e abundância de ovos com o final desta. O pão é salgadinho, o sabor do queijo bem forte, fica ótimo com manteiga. No dia seguinte, tostado, fica melhor ainda. A autora recomenda comer o pão com fatias de maçã ácida, deve ficar uma delícia, mas desta vez não deu tempo de experimentar. Da próxima vez vou fazer a receita dupla, com 6 xícaras de farinha, conforme no livro. Abaixo vai a receita para uma broa somente.

O livro é ótimo, já experimentei várias outras receitas e todas ficaram gostosas. Também de Beth Hensperger é Bread Made Easy: A Baker’s First Bread Book, onde são ensinados em detalhe e muitas fotografias os processos básicos para fazer pão branco, integral, doce, pão de ovos e pão rústico. Este livro foi minha escola de fazer pão quando comecei a me aventurar além da máquina. Depois aprofundei meus conhecimentos com o excelente The Bread Baker’s Apprentice, por Peter Reinhart.

Naturalmente a receita abaixo pode ser preparada em máquina de pão. Eu gosto de fazer o primeiro crescimento na máquina, e prosseguir com a receita acrescentando a segunda porção de queijo, moldando o pão numa forma para o segundo crescimento, e finalmente assando no forno.

Pão de Gergelim e Queijo Cheddar

img_0700_peq2.jpg3 colheres de sopa de sementes de gergelim levemente tostadas
1½ colher de chá de fermento biológico seco
Pitada de açúcar
1 xícara de água morna (40° à 46° C)
1 colher de óleo vegetal
1 colher de chá de sal
1 ovo
2¾ à 3 xícaras de farinha de trigo
180g de queijo Cheddar ralado grosso (ou outro queijo firme e salgado como Fontina ou Gruyère)

Em uma pequena vasilha combine o fermento e açúcar com ¼ xícara da água morna. Deixe descansar uns 10 minutos, até formar espuma.

Combine o restante da água, óleo, sal, ovo, sementes de gergelim, 1 xícara da farinha e a mistura de fermento. Misture até homogeneizar. Adicione metade do queijo ralado e o restante da farinha, até formar uma massa áspera e um pouco grudenta. Vire a massa numa superfície levemente enfarinhada e amasse até alisar, adicionando um pouco de farinha se necessário, mas não deixe a massa ficar muito firme. Coloque a massa numa bacia untada de óleo, vire uma vez, e cubra com filme plástico. Deixe crescer em temperatura ambiente até dobrar de tamanho, cerca de 1½ hora.

Vire a massa na superfície levemente enfarinhada e abra com as mãos num retângulo de 15 x 20 cm. Espalhe o restante do queijo ralado e dobre a massa ao redor do queijo, amassando levemente para distribuí-lo. Coloque a massa numa forma de pão de 22 x 10 cm, untada com óleo, cubra com filme plástico e deixe crescer em temperatura ambiente até dobrar de tamanho, cerca de 45 minutos.

20 minutos antes de assar o pão, pré-aqueça o forno em 190°C (375°F) . Faça talhos profundos na superfície do pão. Asse no centro do forno até dourar a superfície, cerca de 40 minutos. Retire o pão da forma e coloque numa grade para esfriar antes de fatiar.

Link Permanente 5 Comentários

Grandes inventos

dezembro 4, 2006 at 11:52 pm (sorrindo)

Ao lado o recorte de um artigo publicado na revista Modern Mechanix em 1938.

A idéia deste brilhante dispositivo é prender a mãozinha de quem se atreve a chamar os bombeiros para apagar um incêndio (via BoingBoing).

Link Permanente 3 Comentários

A Very Important Message from John Cleese

dezembro 4, 2006 at 11:22 pm (sorrindo)

O texto abaixo é atribuído ao guru John Cleese. A autenticidade eu não sei, mas que é engraçado, isso é…

John CleeseA Very Important Message from John Cleese to the Citizens of the United States of America:

In light of your failure to elect a competent President of the USA and thus to govern yourselves, we hereby give notice of the revocation of your Independence, effective immediately.

Her Sovereign Majesty Queen Elizabeth II will resume monarchical duties over all states, commonwealths, and territories (excepting Kansas, which She does not fancy). Your new prime minister, Tony Blair, will appoint a governor for America without the need for further elections. Congress and the Senate will be disbanded. A questionnaire may be circulated next year to determine whether any of you noticed.

To aid in the transition to a British Crown Dependency, the following Rules are introduced with immediate effect:

(You should look up “revocation” in the Oxford English Dictionary)

  1. Then look up aluminium, and check the pronunciation guide. You will be Amazed at just how wrongly you have been pronouncing it.
  2. The letter ‘U’ will be reinstated in words such as ‘favour’ and ‘neighbour.’ Likewise, you will learn to spell ‘doughnut’ without skipping half the letters and the suffix -ize will be replaced by the suffix -ise. Generally, you will be expected to raise your vocabulary to acceptable levels (look up ‘vocabulary’).
  3. Using the same twenty-seven words interspersed with filler noises such as “like” and “you know” is an unacceptable and inefficient form of communication. There is no such thing as US English. We will let Microsoft know on your behalf. The Microsoft spell-checker will be adjusted to take account of the reinstated letter ‘u’ and the elimination of -ize. You will relearn your original national anthem, God Save The Queen.
  4. July 4th will no longer be celebrated as a holiday.
  5. You will learn to resolve personal issues without using guns, lawyers, or therapists. The fact that you need so many lawyers and therapists shows that you’re not adult enough to be independent.
  6. Guns should only be handled by adults. If you’re not adult enough to sort things out without suing someone or speaking to a therapist then you’re not grown up enough to handle a gun. Therefore, you will no longer be allowed to own or carry anything more dangerous than a vegetable peeler. A permit will be required if you wish to carry a vegetable peeler in public.
  7. All American cars are hereby banned. They are crap and this is for your own good. When we show you German cars, you will understand what we mean.
  8. All intersections will be replaced with roundabouts, and you will start driving on the left with immediate effect. At the same time, you will go metric with immediate effect and without the benefit of conversion tables. Both roundabouts and metrication will help you understand the British sense of humour.
  9. The Former USA will adopt UK prices on petrol (which you have been calling gasoline) — roughly $6/US gallon. Get used to it.
  10. You will learn to make real chips. Those things you call French fries are not real chips, and those things you insist on calling potato chips are properly called crisps. Real chips are thick cut, fried in animal fat, and dressed not with catsup but with vinegar.
  11. The cold tasteless stuff you insist on calling beer is not actually beer at all. Henceforth, only proper British Bitter will be referred to as Beer, and European brews of known and accepted provenance will be referred to as Lager. American brands will be referred to as
    Near-Frozen Gnat’s Urine, so that all can be sold without risk of further confusion.
  12. Hollywood will be required occasionally to cast English actors as good guys. Hollywood will also be required to cast English actors to play English characters. Watching Andie Macdowell attempt English dialogue in Four Weddings and a Funeral was an experience akin to
    having one’s ears removed with a cheese grater.
  13. You will cease playing American football. There is only one kind of proper football; you call it soccer. Those of you brave enough will, in time, be allowed to play rugby (which has some similarities to American Football, but does not involve stopping for a rest every twenty seconds or wearing full Kevlar body armour like a bunch of nancies.
  14. Further, you will stop playing baseball. It is not reasonable to host an event called the World Series for a game which is not played outside of America . Since only 2.1% of you are aware that there is a world beyond your borders, your error is understandable.
  15. You must tell us who killed JFK. It’s been driving us mad.
  16. An internal revenue agent (i.e. Tax collector) from Her Majesty’s Government will be with you shortly to ensure the acquisition of all monies due (backdated to 1776).
  17. Daily Tea Time begins promptly at 4 pm with proper cups, never mugs, with high quality biscuits (cookies) and cakes; strawberries in season.

John Cleese

Link Permanente 2 Comentários

NY Times: Smellbound

novembro 19, 2006 at 6:33 pm (matutando)

Na Magazine do New York Times de hoje veio um artigo de Chandler Burr detalhando como o perfumista Christophe Laudamiel criou as fragrâncias para Le Parfum Coffret de Thierry Mugler, uma coleção de odores sendo lançada juntamente à adaptação para cinema do romance Das Parfum de Patrick Süskind.

Le Parfum Coffret, de Thierry Mugler US$700 por 120ml de composições olfatórias. Cada fragrância representa uma cena do livro, e nem todas são agradáveis. O que esperar de Paris 1738 ou Human Existence? (Uma descrição de cada um dos perfumes se encontra no Bois de Jasmin.)

A garrafinha maior é Aura, a única fragrância da coleção que poderá ser comprada individualmente. A proposta de Aura é realçar e intensificar outros perfumes, quaisquer sejam suas famílias… “Comme une seconde peau atmosphérique, un sublimateur personnel.”

Um trecho de Smellbound, por Chandler Burr:

What if you could create a perfume that would enhance your own unique smell, a perfume that would smell different on you than on anyone else? In other words, your scent identity.

Laudamiel was at once excited and dubious. Technically it was daunting. And they didn’t have much time; Constantin was shooting the movie quickly; they were hurrying to make the premier. He flew back to his lab in New York and started working on this perfume, which they eventually decided to call Aura. It would have to interact with skin. No head, no heart, no base. Perfectly dosed so that before you put it on, it essentially smelled like nothing.

Chandler Burr escreve regularmente sobre perfumes no NY Times. Em Color Coded, ele explica como e porque perfumes são particularmente atraentes para certos grupos étnicos e geográficos (Ck One de Calvin Klein é um sucesso nos EUA mas não na Europa; Shalimar de Guerlain agrada os franceses; Flower de Kenzo é extremamente popular no Brasil e na China). Em Sniffing Danger, Burr fala da mesmice dos perfumes masculinos e sugere três que fogem do cliché. Em Synthetic No. 5, ele decodifica os ingredientes de alguns perfumes famosos.

Burr também esteve na New Yorker de 14 de março, então detalhando o processo criativo do perfumista Jean-Claude Ellena (leia-se First, para Van Cleef & Arpels) ao criar uma nova fragrância para a Hermès. O artigo é fascinante: The Scent of the Nile.

Para quem curte perfumes outro artigo interessante é Perfume and Politics por Hippolyta, desta vez falando do perfumista François Coty, publicado também pela New Yorker numa edição de 1930.

Racial female taste furnishes quaint statistics; for instance, American women like middling-passionate fantasy odors and no posy smells, whereas the chillier, land-loving British dames require only the chastest invented odors and pure garden bouquets. Blunt amber and heliotrope, most passionate of beast and blossom odors, intoxicate all the Spanish-speaking señoritas. Amber and rose in their rarest forms, considered by perfumers to be the peak of their art, please the French.

Link Permanente Deixe um comentário

Hamburger de trás prá frente

novembro 14, 2006 at 7:13 pm (matutando, misturando, sorrindo, verdejando)

Link Permanente Deixe um comentário

Congenital Amusia

novembro 14, 2006 at 12:42 am (abstraindo, passeando)

Teste seu ouvido musical em 6 minutos…

O teste foi desenvolvido por Jake Mandell, um estudante de medicina interessado em estudar percepção musical neurologicamente. Das suas composições eu confesso que não gostei, mas as imagens acompanhando os clips musicais são bem interessantes.

Link Permanente Deixe um comentário

Borat Sagdiyev

novembro 13, 2006 at 11:51 pm (matutando, sorrindo)

BoratBorat vem desfilar suas graças de maillot. Para quem não conhece, Borat Sagdiyev é uma das personagens do comediante inglês Sacha Baron Cohen (Da Ali G Show). Borat viaja pelos EUA como jornalista e embaixador cultural do Cazaquistão, em algumas instâncias abusando da proverbial inocência do povo americano ou testando até onde vai sua compostura, em outras os convindando para que se enforquem com a própria língua. Nesta versão transatlântica de Pride & Prejudice, quem decide para que lado o mingau vai entornar é a própria vítima.

Há pouco estreou nos cinemas Borat: Cultural Learnings of America for Make Benefit Glorious Nation of Kazakhstan. No meu entender, trata-se de um documentário. É um pacote de piadas grotescas mas bem colocadas, e a estréia nas telas de uma galinha que merece o oscar de atriz coadjuvante.

E como esta crítica por Anthony Lane na New Yorker lembra, o comediante Borat tem um propósito em todo o seu mau gosto e comentários politicamente incorretos:

When Borat laughs at the notion that you can be against cruelty to animals, you can hear, at his back, the snicker of Baron Cohen as he takes his cleaver to another sacred cow. His task is not so much to insult his fellow Jews, or the African-American community, as to register amazement at a culture that turns race relations into an article of faith—that seems to believe, against the run of history, in legislating our lower, more brutish instincts out of existence.

Link Permanente Deixe um comentário

Pipecleaner Dance III

agosto 2, 2006 at 8:57 pm (passeando)

pipecleaner.JPGMuito divertido este flash onde pode-se escolher a música e os movimentos do dançarino: Pipecleaner Dance III. Funciona com o mouse, mas usando o teclado fica mais legal. (Via Ursi’s Blog)

Dancing Me! também é bonitinho.

Link Permanente Deixe um comentário

County Fair, por Earth Oliver

agosto 1, 2006 at 9:49 pm (matutando, passeando, sorrindo, viajando)

My name is Earth and I travel around Oregon and photograph the most interesting characters I find at county fairs and rodeos. (Via BoingBoing)

Eu mudaria o nome para “Country Fairies”, mas as fotos de Earth Oliver são realmente muito bacanas. Tem Dorothy, Rapunzel e Príncipe Valente, o Último Samurai e a Coelhinha da Páscoa (em julho). Mozart, Barbara La Marr, Audrey Hepburn, Bo Derek, Twiggy, Britney Spears, Brooke Shields, Elton John, Farrah Fawcett e Casal 20. E a garota propaganda da BomBril (meu marido discorda, diz ele que ela parece mais com a noiva do Frankenstein).

Umas assustam mais que outras, mas algumas realmente dão medo.

Brincadeiras à parte, eu gosto de observar como o estado-unidense se traja e penteia. No Brasil o povo se veste inspirado pelas novelas e é escravo das novidades, nos EUA as pessoas aderem mais aos seus ídolos culturais ou suas tribos ideológicas, independente da época.

Homens e mulheres dedicam diariamente um bocado de tempo às suas madeixas. Vejo isso nos ônibus e supermercados, penteados presos bastante elaborados, ou cabelos soltos mas controlados com muito gel e spray fixador, os homens inclusive. Pode passar uma ventania sem que um fio saia do lugar. Onde trabalho tem um senhor que, quando vem de bicicleta, traz o secador de cabelos na mochila para ajeitar o penteado antes de pegar no batente.

As elites se elaboram ao inverso. Especialmente na geração X (nascida entre meados dos anos 60 e 70, com aspirações de sair do carrossel de status, dinheiro e ascenção social), prevalece a tentativa de mostrar que não se vestiu para a ocasião, e um bocado de esforço é colocado em construir uma figura de quem acabou de sair da cama com as roupas amarrotadas e cabelos despenteados (com cortes específicos e produtos para que o cabelo permaneça assim).

Na classe média brasileira, quando muito conseguimos identificar os roqueiros, naturebas, intelectuais, esportivos, sofisticados urbanos ou patricinhas e mauricinhos. A classe média estado-unidense se veste como democrata ou republicana, adepta de um esporte específico, praticante de uma profissão, e é extremamente cuidadosa em não pisar fora dos seus limites (ao mesmo tempo que rejeita a idéia de que haja um sistema de classes nos EUA). Enquanto que no Brasil as pessoas se arrumam para ir à igreja, ao teatro ou a um casamento, as diferenças se limitando à qualidade das roupas e saúde dos cabelos, nos EUA as pessoas que freqüentam tais lugares estão vestidas como estudantes, professores, advogados, secretários ou vendedores. No outro extremo tem aqueles que se fantasiam especificamente para o evento — se é um show de tango, uma boa parte da platéia feminina estará com saias de babados e enormes flores no cabelo; se o batuque é africano a audiência virá com túnicas e adereços pretensamente tribais; num evento de gala na Flórida muitos paletós ou gravatas terão coqueiros estampados.

É um paradoxo que um povo geralmente tão tímido, que evita fazer contato visual e que se ofende ao se descobrir observado, se vista de forma tão expressiva e freqüentemente chamativa. Talvez seja o mito de esta ser uma sociedade igualitária que alimente o desejo por notoriedade. Afinal de contas, é para olhar ou não?

Link Permanente Deixe um comentário

Pós-guerra na Europa, o Terror francês… e Leonardo

julho 27, 2006 at 10:22 pm (abstraindo, matutando)

Alguns comentários sobre livros são tão bem feitos que, além de despertar a vontade de ler os livros propriamente, já se aprende um bocado somente lendo a crítica.

Procurando informações sobre “Postwar”, de Tony Judt, descobri o comentário de Anthony Gottlieb no New York Times de 16 de outubro de 2005. “Postwar”, uma descrição detalhada da recuperação da Europa depois da Segunda Guerra, é tido pelo NY Times como um dos melhores livros de 2005. [Abaixo Der Hirte por Georg Baselitz (1966). O quadro faz parte de uma série chamada "Heróis" ou "Os novos tipos". Segundo o texto do catálogo de um leilão da Christie's em 2001, é o retrato de um homem aos andrajos e cheio de dúvidas num terreno devastado (em contraste à natureza sublime da tradição romântica alemã), provavelmente um soldado derrotado voltando para casa.]

Der Hirte, por George Baselitz (1966)One of the pleasures of this rich and immensely detailed book is its portrayal of Europe’s recovery from the devastation of 1945 as an organic regrowth. What seemed back then to be the twitching limbs of the dying was in fact the stirring of new life.

As Judt movingly draws it, the picture of Europe at the end of World War II is pitiful almost beyond bearing. Some 36.5 million Europeans are reckoned to have died between 1939 and 1945 because of the war. Tens of millions more were uprooted by Hitler and Stalin. In the immediate aftermath of Germany’s defeat, the continent was scarred with violent retribution, purges and outbreaks of what in some places — like Greece and Yugoslavia — amounted to civil war. As Judt notes, the war in Europe did not really end in 1945 at all. Neither did the persecution of Jews end with the closing of the death camps: well over a thousand Jews were killed in Polish pogroms after the liberation of Poland.

É horrível, mas faz sentido. A Polônia talvez tenha sido o país mais cruelmente devastado durante a guerra, e quando existe confusão não é raro a corda arrebentar do lado mais fraco, neste caso os judeus que sobreviveram ao holocausto e que tentaram voltar para casa. A respeito disso, outro livro interessante acaba de ser lançado e comentado na Magazine do NY Times deste último domingo: “Fear: Anti-Semitism in Poland After Auschwitz. An Essay in Historical Interpretation”, por Jan T. Gross. O primeiro capítulo do livro pode ser lido aqui.

Voltando ao comentário de Gottlieb sobre “Postwar”, de Tony Judt:

Man in a Cap, por Francis Bacon (~1943)Continuing anti-Semitism in Europe, and the fact that Germany was not always the source of it, is a topic to which the author returns often. While Germany quite rightly bore the brunt of the blame for Europe’s tragedy, other villains slipped away unnoticed. It was Austria, after all, that gave the world “Waldheimer’s disease” — the inability to remember what you did during the war, named for Kurt Waldheim, a secretary general of the United Nations who became Austria’s president in 1986. In a country of under seven million inhabitants, there were still more than 500,000 registered Nazis in Austria at the end of the war. Austrians were greatly overrepresented in the SS and among concentration-camp staff. Tellingly, over 38 percent of the members of the Vienna Philharmonic orchestra were Nazis, compared with just 7 percent of the Berlin Philharmonic. And in an epilogue on modern European memory, Judt reminds us that the sickness that fueled Auschwitz is not fully cured. In 2000, criticizing a study of a wartime massacre of Jews by their Polish neighbors, Lech Walesa, the hero of Poland’s anti-Communist uprising and a winner of the Nobel Peace Prize, dismissed the study’s author as “a Jew who tries to make money.”

One of the starkest indications of the “Himalayan” task facing Europeans in 1945 was the destruction of the housing stock. Germany had lost 40 percent of its homes, Britain 30 percent and France 20. (In Warsaw 90 percent of homes were gone).

Gottlieb continua, falando da economia européia no pós-guerra e do plano Marshall. [Acima está Man in a Cap por Francis Bacon, uma composição inacabada usando uma foto de Joseph Goebbels, por volta de 1943.]
..

Na edição de 5 de junho, a New Yorker trouxe Adam Gopnik comentando dois livros sobre o terror na França revolucionária. Um dos livros é “The Terror: The Merciless War for Freedom in Revolutionary France”, por David Andress. [Abaixo Marat assassiné, por Jacques-Louis David (1793).]

Marat assassiné, por Jacques-Louis David (1793)(…) Andress sets out to demonstrate, the Terror was also a consequence of the reactionary encirclement of France by the other powers of Europe. Those powers had learned nothing and forgotten nothing; they had it in for Republican France, and intended to restore a vengeful absolutism to the throne. What drove the Terror was not a crazed intellectual desire to extend the Revolution to every corner of existence but a desperate desire to maintain its achievements in the face of opposition. Robespierre and his group were revolutionary butchers, but they were butchers surrounded by vampires. “It is necessary to maintain a sense of proportion,” Andress writes in his introduction.

O outro livro vem a detalhar o magistrado deste terror — “Fatal Purity: Robespierre and the French Revolution”, por Ruth Scurr.

“Fatal Purity” is in its way just as rewarding, because of what Robespierre represents: the ascent of the mass-murdering nerd—a man who, having read a book, resolves to kill all the people who don’t like it as much as he does. (…) It is often said that terror of this kind is possible only when one has first “dehumanized” some group of people—aristocrats, Jews, the bourgeoisie. In fact, what motivated the spectacle was exactly the knowledge that the victims were people, and capable of feeling pain and fear as people do. We don’t humiliate vermin, or put them through show trials, or make them watch their fellow-vermin die first. The myth of mechanical murder is almost always only that.

..

Para terminar o post com aspectos mais nobres da natureza humana, outro comentário que vale a pena ser lido do começo ao fim é Renaissance Man, também por Adam Gopnik (New Yorker de 17 de janeiro de 2005), falando de dois livros recentemente publicados sobre a vida de Leonardo da Vinci.

When I was a teen-ager, I wrote a science-fiction story about Leonardo da Vinci. (…) Sensing, sadly but with characteristic prescience, that the market in occult stories involving strange codes hidden in Leonardo’s works was essentially nil, I left the story unfinished; just recently, a new pair of Leonardo books brought it to mind. The basic notion—that Leonardo is so weird that he might as well be from another planet—turns out to be hardy enough to have survived even a century of scholarship aimed at replacing romantic, otherworldly Leonardo with historical Leonardo, a man of his time.

Gopnik apresenta “Leonardo”, por Martin Kemp, e “Leonardo da Vinci: Flights of the Mind”, por Charles Niccholl. O primeiro o sumário de sua obra, o segundo recheado de história social e especulação bem embasada. Nas palavras de Gopnik:

[T]hey complement each other almost perfectly: Kemp’s is Leonardo seen from the inside out, Nicholl’s from the outside in. Kemp explains Leonardo’s principles of design and his theory of the world from an intense knowledge of his mind and drawings; Nicholl shows where his ideas came from and who paid to subsidize them, through a broad rendering of his life and times.

Ponte Leonardo, Noruega (2001)O comentário de Gopnik é cheio de coisas fascinantes sobre a vida e obra de Leonardo, como sua tentativa de transcender arte e beleza na busca por um sistema universal de proporção que explicasse a natureza — o que, ele não sabia, dois séculos mais tarde seria chamado de força gravitacional por Isaac Newton. Já que lhe faltava uma matemática mais avançada, seus processos mentais eram visuais e geométricos. [Na foto à esquerda, a Ponte Leonardo em Aas, Noruega, construída em 2001 a partir de uma idéia de Leonardo em 1502.]

E Gopnik tem mais a dizer sobre a imensa popularidade de estórias envolvendo códigos escondidos nos trabalhos de Leonardo…

A cultural anthropologist, a hundred years from now, will doubtless find, in the unprecedented success of “The Da Vinci Code” during the time of a supposed religious revival, some clear sign that, in the Elvis mode, what a lot of Americans mean by spirituality is simply an immense openness to occult superstitions of all kinds.

Link Permanente 3 Comentários

NY Times: He Who Cast the First Stone Probably Didn’t

julho 25, 2006 at 11:57 pm (abstraindo, matutando)

Isacco respinge Esaù, atribu�do à Giotto di Bondone (1290-1295)O New York Times de ontem trouxe um artigo que explica muito bem como os conflitos e agressões domésticas e políticas se escalam: He Who Cast the First Stone Probably Didn’t, por Daniel Gilbert. Virtualmente em todas as sociedades e religiões, a retribuição de uma agressão dá justificativa aceitável para fazer-se aquilo que seria proibido em outras condições. Mas estudos recentes mostram que o indivíduo se lembra das causas de suas próprias ações, mas somente das consequências das ações do outro — isto é, o indivíduo usualmente não se lembra do que fez para causar uma ação do outro.

In a study conducted by William Swann and colleagues at the University of Texas, pairs of volunteers played the roles of world leaders who were trying to decide whether to initiate a nuclear strike. The first volunteer was asked to make an opening statement, the second volunteer was asked to respond, the first volunteer was asked to respond to the second, and so on. At the end of the conversation, the volunteers were shown several of the statements that had been made and were asked to recall what had been said just before and just after each of them.

The results revealed an intriguing asymmetry: When volunteers were shown one of their own statements, they naturally remembered what had led them to say it. But when they were shown one of their conversation partner’s statements, they naturally remembered how they had responded to it. In other words, volunteers remembered the causes of their own statements and the consequences of their partner’s statements.

Um outro estudo conduzido no University College London mostra que as pessoas tendem a retribuir cutucadas com força 40% maior…

Although volunteers tried to respond to each other’s touches with equal force, they typically responded with about 40 percent more force than they had just experienced. Each time a volunteer was touched, he touched back harder, which led the other volunteer to touch back even harder. What began as a game of soft touches quickly became a game of moderate pokes and then hard prods, even though both volunteers were doing their level best to respond in kind.

Each volunteer was convinced that he was responding with equal force and that for some reason the other volunteer was escalating. Neither realized that the escalation was the natural byproduct of a neurological quirk that causes the pain we receive to seem more painful than the pain we produce, so we usually give more pain than we have received.

José atirado no poço, por Messire Jehan de Mandeville (1360-1370)A tragédia aumenta quando os adversários não são do mesmo tamanho. Em 28 de fevereiro o New York Times trouxe Beyond Rivalry, a Hidden World of Sibling Violence, Katy Butler fala de como os grandes intimidam os pequenos, e se estes tentam retribuir as coisas pioram. E os pais confortavelmente ignoram o que acontece debaixo do seu nariz. Ano passado li um livro um tanto chocante mas muito elucidativo, A Natural History of Families, por Scott Forbes. O autor descreve como em várias espécies — inclusive a humana — a rivalidade entre irmãos é alimentada pelos pais que, conscientemente ou não, querem ver os filhos disputando pelo seu amor e cuidados. O que nos faz humanos é lutar contra tal impulso, mas ainda assim o impulso é forte e persistente, mesmo que os recursos para cuidar da prole sejam abundantes. Amor fraterno e proteção dos mais fracos são construções sociais da civilização humana — nada naturais.

Lá em cima está Isacco respinge Esaù (1290-1295), um afresco na Basilica di San Francesco em Assisi, atribuído à Giotto di Bondone. Mais abaixo, José atirado no poço, uma iluminura para o livro do Gênesis por Messire Jehan de Mandeville (1360-1370), J. Paul Getty Museum em Los Angeles.


								

Link Permanente 1 comentário

New Yorker: American Abstract

julho 25, 2006 at 9:54 pm (abstraindo, matutando)

Autumn Rhythm - Number 30, por Jackson Pollock (1950)

Dia 11 de agosto próximo estará fazendo 50 anos da morte de Jackson Pollock. A New Yorker de 31 de julho traz um artigo falando da exposição celebrando sua obra no Guggenheim, sua vida e trabalho: American Abstract, por Peter Schjeldahl.

Born in Wyoming, Pollock came to New York, from California, in 1930. He was mentored at the Art Students League by Wood’s American Scene colleague Thomas Hart Benton. He soon found the Expressionist and Surrealist tendencies of the downtown avant-garde more congenial than Benton’s mannered figuration, partly because he was tormented by a belief that he could never draw properly. But a sense of nationalist mandate stayed with him. It’s an undertone in his famous reply to the German painter and pedagogue Hans Hofmann, who had suggested that he try working from nature: “I am nature.” The glowering Westerner who became known as Jack the Dripper seemed to speak not just for the country but as it, in person: the Great American Painter, at a moment that was hot for Great American thises and thats. His helplessly photogenic, clenched features, broadcast by Life in 1949, made him a pinup of seething manhood akin to Marlon Brando. It wasn’t even necessary that Pollock be a great artist, though he was. Unlike Wood, he countered the humiliating authority of European modern art not by rejecting it but by eclipsing it. Abstraction may have still scandalized most Americans, but suddenly it was a homegrown scandal, with nothing sissified about it. The macho pose, an obligatory overcompensation for aestheticism in the nineteen-fifties, ill suited a man whose ruling emotion was fear, which sprung from an anxious childhood in a ragged, nomadic family. But it sold magazines.

Blue Poles, por Jackson Pollock (1950)Acima está Autumn Rhythm – Number 30, pintado por Jackson Pollock em 1950. O original está no Metropolitan em Nova Iorque, seus mais de 5 metros de largura e quase 3 de altura ocupando uma parede inteira, é um quadro impressionante, a gente se perde dentro dele. Ao lado, Blue Poles (1950), residente na National Gallery of Australia, em Canberra.

Palavras de Eli Siegel em seu artigo “Beauty and Jackson Pollock, Too” (1955):

The unconscious, as artistic, goes after unrestraint, but unrestraint as accurate; and when unrestraint is accurate, the effect on mind is still that of beauty. And:—if his work is successful, there is in this work, power and calm, intensity and rightness, unrestraint and accuracy—and these, felt at once, make for beauty.

Para brincar de Pollock, eu recomendo jacksonpollock.org (este flash foi roubado de Michal Migurski, mas a vantagem é que permite trocar as cores de tinta).

..

Este exemplar da New Yorker vem também com um artigo sobre a Wikipedia, que em março atingiu 1 milhão de artigos (a Encyclopædia Britannica tem apenas 120 mil): Can Wikipedia conquer expertise?, por Stacy Schiff.

[Jimmy Wales, Wikipedia’s founder] says that he is on a mission to “distribute a free encyclopedia to every single person on the planet in their own language,” and to an astonishing degree he is succeeding. Anyone with Internet access can create a Wikipedia entry or edit an existing one. The site currently exists in more than two hundred languages and has hundreds of thousands of contributors around the world. Wales is at the forefront of a revolution in knowledge gathering: he has marshalled an army of volunteers who believe that, working collaboratively, they can produce an encyclopedia that is as good as any written by experts, and with an unprecedented range.

Wikipedia is an online community devoted not to last night’s party or to next season’s iPod but to a higher good. It is also no more immune to human nature than any other utopian project. Pettiness, idiocy, and vulgarity are regular features of the site. Nothing about high-minded collaboration guarantees accuracy, and open editing invites abuse.

encyclopedie2.jpg(…) As was the Encyclopédie [by Diderot and d’Alembert, 1751-80], Wikipedia is a combination of manifesto and reference work. Peer review, the mainstream media, and government agencies have landed us in a ditch. Not only are we impatient with the authorities but we are in a mood to talk back. Wikipedia offers endless opportunities for self-expression. It is the love child of reading groups and chat rooms, a second home for anyone who has written an Amazon review. This is not the first time that encyclopedia-makers have snatched control from an élite, or cast a harsh light on certitude.

Preciosas instruções para curar soluços, via Wikipedia.

Link Permanente Deixe um comentário

WSJ: Downloading Vintage Songs

julho 18, 2006 at 4:26 pm (abstraindo, passeando)

Cat and Gramophone, por Colin RuffellJá falei aqui sobre o Sabadabada, dedicado à música pop brasileira dos anos 60 e 70. Hoje fiquei sabendo através do Wall Street Journal de mais uns endereços para baixar músicas antiguinhas:

O fofinho aí em cima é Cat and Gramophone, por Colin Ruffell.

Link Permanente 2 Comentários

Candybar Doll Maker 3

julho 17, 2006 at 5:26 pm (passeando)

Elouai's Doll Maker 3A elegantérrima madame aí embaixo que me desculpe. É um despropósito colocar um post perto do outro.

Mas até hoje não me cansei de brincar de bonecas. Candybar Doll Maker 3 permite escolher penteados, roupas, olhos, sobrancelhas, cor do baton…

Armageddoll E pelo menos aqui em casa, menino também curte brincar de boneca. À direita vai a Armageddoll, versão alternativa criada pelo meu marido. Eu não me pareço em nada com a Sinéad O’Connor, assim fico tranqüila que não fui eu a inspirá-lo. Pelo menos nós temos o mesmo gosto para sapatos. Ou, mais provavelmente, ele nem notou os sapatos que escolhi tão cuidadosamente…

.

Update: Agora estou lembrando de um episódio contado pela minha sogra. Meu marido cortou os cabelos das bonecas de sua irmãzinha, e minha sogra teve que sair atrás de perucas para as bonecas da filha. Velhos hábitos, ah ah ah.

Minha cunhada até que teve sorte, pois boneca careca ainda é boneca. Contam os alfarrábios da família que meu pai cometeu inúmeras atrocidades contra as bonecas da minha tia, e muitas vezes nem sobrava boneca para contar a estória. Tudo em nome da arte.

Link Permanente 176 Comentários

NY Times: New Klimt in Town

julho 15, 2006 at 5:26 pm (abstraindo, matutando, viajando)

Ao lado está o retrato de Adele Bloch-Bauer, pintado por Gustav Klimt em 1907. Recentemente comprado por Ronald Lauder por, especula-se, 135 milhões de verdinhas, o retrato já está pendurado na Neue Galerie for German and Austrian Art, Manhattan, para que o público possa absorver sua beleza.

Ontem o New York Times trouxe New Klimt in Town: The Face That Set the Market Buzzing, por Michael Kimmelman. Vale ler o artigo do começo ao fim. Kimmelman conta a interessante estória do retrato (durante anos travou-se uma luta entre a justa herdeira do retrato e o governo Austríaco), e deliciosamente repete a frase “too expensive”. Kimmelman fala também sobre outros quadros de Klimt que estão temporariamente acompanhando Adele na Neue Galerie (inclusive Adele Bloch-Bauer II, 1912), e sobre preço e valor de arte.

For that amount, assuming it is what Mr. Lauder paid, his portrait of Adele, a hedonistic masterpiece, will be talked about in terms of how many lives might have been saved or how many lifted from poverty for this sum.

It’s inevitable. But ludicrous. The Met spent more than $45 million two years ago for a tiny Duccio “Madonna and Child” whose modesty seems its most endearing virtue. The tipping point between endearing and hedonistic is evidently somewhere around $100 million.

As for the border separating public interest from private enterprise, it has never been fixed. The Neue Galerie is Christie’s annex now, exhibiting paintings for sale ($15 general admission, no children under 12 allowed), whose display is also a public service.

Someday Adele will be seen for just what she is: beautiful, a gift to the city. And $135 million may even come to look like a bargain.

Eu assino embaixo, e publico aqui meu agradecimento a Lauder por ter pendurado este retrato numa galeria aberta à visitação pública. É o que chamo de dinheiro bem gasto.

Christopher Knight, crítico de arte do L.A. Times, escreveu sobre a obra de Klimt em abril passado:

As a pair, “Adele I” and “II” create a captivating dialogue of Klimt’s artistic trajectory at an unparalleled moment — a conversation centered on the Jewish patron critical to it. Together they begin to tell the heady story of Vienna as a profound social, intellectual and artistic engine driving modern culture before World War I.

(…) Why is the 1907 portrait so significant artistically? Think of it as a hinge — a pivot between a moribund, impossibly constricted world about to vanish forever and a new one whose contours could only be imagined.

With an exquisitely rendered image of a pretty, contemplative and artful young woman — his likely lover — the artist transformed an illustrious classical myth into a metaphor of creative ecstasy. Adele is Klimt’s Danae.

In the ancient myth, the beautiful princess Danae was locked away in a bronze tower by her father, who had been warned by an oracle that one day her son would kill him. The randy Zeus — a god who loved a challenge almost as much as sex — devised a way to get to the imprisoned virgin. He transformed himself into a shower of gold dust, seeping through cracks in the ceiling and enveloping, irradiating and impregnating her.

Painters from Titian to Edward Burne-Jones painted the Greek myth, at times casting the characters in their Roman guises. In a monumental 1603 version of the story painted by the great Dutch Mannerist Hendrik Goltzius — a masterpiece already in LACMA’s collection — the shocking theme is mercenary love. Danae, a sumptuous nude asleep on a pillow of platinum-colored satin amid a flurry of impish cherubs, is attended by a grizzled crone acting as procurer for the impatient Jupiter; leering Mercury, Roman god of commerce, looks on with glee. Greed and power are about to soil purity.

Klimt also painted the myth, in an explicitly sexual work still in a private Austrian collection. But Adele, his metaphoric Danae, is a thoroughly modern Jewish woman of taste, style, brains and means. The artist showers her in a torrent of gold, the light enveloping her body and ready to re-conceive the world.

Knight continua, comparando Adele à Les Demoiselles d’Avignon de Picasso, também de 1907, e o retrato posterior de Adele por Klimt em 1912. O artigo é fascinante.

Gostei muito de ler o que Kimmelman e Knight escreveram, especialmente porque ontem também saiu um artigo no Wall Street Journal que me deixou soltando fumaçinhas: Shopping-Mall Masters, por Kelly Crow. Crow fala sobre quadros com pores-de-sol fosforescentes, unicórnios e golfinhos saltitantes, daqueles que a gente torce o nariz ao ver num quarto de hotel ou sala de espera, que valem $10 e estão sendo vendidos por $300.000 e, no caso de um certo “pintor” que tem lojinhas em muitas cidades turísticas americanas, 4 milhões de dólares. Vá entender. Oscar Wilde disse que cínico é o homem que sabe o preço de tudo e o valor de nada. Tem gente, e muita gente, que não sabe nem o preço.

Link Permanente 6 Comentários

Curta-metragens de animação pela NFB

julho 15, 2006 at 1:19 pm (abstraindo, passeando, sorrindo)

The Cat Came BackThe National Film Board of Canada tem a reputação de produzir e distribuir documentários e curta-metragens de animação de excelente qualidade.

A NFB colocou 50 curtas de animação para assistir on line, um filminho mais interessante que o outro, alguns muito engraçados (Via BoingBoing).

Entre os que vi e mais gostei estão A Chairy Tale (musicado por Ravi Shankar e Chatur Lal), The Big Snit, Bully Dance, Elbow Room, Neighbours e The Sand Castle.

Acima está um snapshot de The Cat Came Back (Cordell Barker, 1988), baseado numa canção folclórica de mesmo nome.

Link Permanente 2 Comentários

SigSag

julho 10, 2006 at 5:01 pm (abstraindo, matutando)

Acaba de entrar em órbita o SigSag, blog da minha irmã tecelã, bordadeira, escultora, tricoteira, crocheteira, florista e tantas outras coisas. Eu vinha insistindo com ela que criasse um blog para registrar suas artes, pois muitas coisas ela dá de presente e assim acaba esquecendo do que já fez.

Cada peça tem toda uma estória, além da beleza dos materiais crus e do produto final, existe a inspiração, o aprendizado das técnicas, as conversas de quando se estava trabalhando com mais alguém. São lembranças tão importantes e que a gente retoma cada vez que olha para aquele trabalho.

Minerva et les Muses, por Jacques Stella, 1640-45Minha amiga Gisele foi quem me inspirou a convencer minha irmã a criar seu próprio blog. E agora a Gisele e seu grupo de amigas arteiras criaram um blog dos seus encontros semanais de costura, quilting, bordados e troca de receitas culinárias. Batizaram-no de Minerva’s Circle, em homenagem à deusa romana dos trabalhos manuais e sabedoria. Ao lado está Minerva et les Muses, por Jacques Stella (1640-45).

Quando eu era criança, minhas tias e suas amigas se reuniam semanalmente na casa da minha avó, e ficavam trabalhando nos seus crochês, bordados e maquinações. Era muito divertido, peças maravilhosas foram criadas nestes encontros, as inspirações se multiplicavam, as técnicas eram passadas de uma à outra. Minha avó fazia uns riscos à mão livre e saia bordando com fios e fitas. Ela podia tirar a idéia de uma revista ou de outra pessoa, mas ao invés de copiar exatamente ela criava os moldes com as próprias mãos e ia inventando enquanto o trabalho tomava forma. Quantas bolsas, toalhas de mesa, vestidos e blusas nós sobrinhas e netas ganhamos, uma peça mais linda que a outra. Felizmente ainda tenho comigo alguns dos tesouros criados pela avó e tia que já se foram.

Link Permanente 2 Comentários

Zuccotto di Noci e Lamponi

julho 9, 2006 at 10:06 pm (misturando, torcendo)

Eu poderia chamar este zuccotto de charlotte, mas hoje especialmente estou muito feliz em usar a nomenclatura italiana…

Seja qual for o nome, fazer este tipo de sobremesa com uma forma adequada ficou muito mais fácil. Já que eu planejava cobrir o zuccotto, assei o bolo diretamente na forma semi-esférica, e o encaixe do conjunto de formas fez com que a casca saísse perfeitinha, pronta para ser recheada com a bavarois de framboesas.

Para a casca do zuccotto fiz um pão-de-ló de nozes. Recheei o zuccotto com uma bavarois de framboesa, cobri com Suspiro Italiano (receita no Bolo 4 de Julho), decorei com morangos e farpas de chocolate amargo.

Pão-de-Ló de Nozes

3 ovos
2 xícaras de açúcar
1 xícara de óleo
1 colher de amaretto
2 xícaras de farinha
1 colher de chá de fermento em pó
1 xícara de leite
1 xícara de nozes finamente moídas

Pré-aqueça o forno em 175°C (350°F). Unte e enfarinhe uma forma semi-esférica e a forma para a base. Outra opção é aumentar em 1/3 a receita de pão-de-ló e usar uma forma quadrada de 30cm de lado, e uma forma redonda de 20cm de diâmetro, montando o zuccotto como explicado aqui.

Bata os ovos em velocidade média-alta. Lentamente adicione o açúcar e bata até ficar um creme grosso e esbranquiçado. Adicione o óleo e o licor, bata bem. Adicione o fermento e a farinha, alternando com o leite. Junte as nozes moídas e bata até incorporar bem.

Derrame a massa nas formas preparadas. Asse a base por uns 25 à 30 minutos, a forma semi-esférica por 60 à 70 minutos.

Purê de Framboesas

700g de framboesas congeladas
1 colher de chá de suco de limão

Coloque as framboesas num escorredor de macarrão suspenso sobre uma vasilha. Descongele as framboesas completamente (vai demorar várias horas). Ocasionalmente esprema as framboesas contra o escorredor, para ajudar a soltar o líquido.

Quando as framboesas tiverem perdido cerca de 1 xícara de suco, leve as framboesas e suco de limão ao multiprocessador equipado com lâmina de metal, e bata até virar um purê.

Bavarois de Framboesas

2 1/2 colheres de chá de gelatina em pó sem sabor
1 xícara de purê de framboesas
2/3 xícara de açúcar
2 xícaras de creme de leite fresco

Coloque 1/4 de xícara do purê de framboesas e a gelatina em pó numa vasilhinha de vidro, e deixe descansar por 5 minutos. Leve ao microondas por alguns segundos e misture bem para dissolver a gelatina. Misture esta porção e o açúcar ao restante do purê de framboesas.

Bata o creme de leite até que faça picos suaves. Adicione o purê de framboesas já com gelatina e açúcar, e bata até formar picos firmes.

Rende 5 xícaras de creme, o bastante para rechear uma charlotte ou zuccotto com 20cm de diâmetro. Este creme é firme o bastante para ser moldado sozinho e manter sua forma ao ser cortado com faca.

Link Permanente Deixe um comentário

Bolo 4 de Julho

julho 9, 2006 at 3:10 pm (misturando)

Pão-de-ló de coco (como no Seaweed Cake), recheio e cobertura de suspiro italiano com morangos e blueberries.

Suspiro italiano é um glacê de claras e calda de açúcar em ponto de fio forte. A consistência é razoavelmente firme mas leve, como a de um crème chantilly — bonito para espalhar com espátula, mas não serve para decorações elaboradas.

Suspiro Italiano

1/2 xícara de claras de ovos (4 ou 5 claras)
1/2 colher de chá de creme tártaro (opcional, dá mais estabilidade ao suspiro)
2 colheres de sopa de açúcar
1/4 xícara de água
3/4 xícara de açúcar

Bata ligeiramente as claras até que comecem a espumar, junte as 2 colheres de açúcar e deixe a batedeira ligada em velocidade bem baixa.

Leve a água e 3/4 de xícara de açúcar ao fogo médio para fazer uma calda em ponto de fio forte (120°–121°C, 248°–250°F). Quando a calda estiver fervendo há uns 5 minutos (levará mais uns 2 minutos para chegar ao ponto de fio forte), comece a bater as claras em alta velocidade, até ficarem bem firmes.

Com a batedeira ligada em velocidade baixa, lentamente derrame a calda de açúcar no canto da vasilha. Depois de derramar toda a calda aumente a velocidade e bata até a mistura esfriar, cerca de 2 minutos.

Rende 5 xícaras.

Link Permanente 2 Comentários

Next page »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.