NY Times: He Who Cast the First Stone Probably Didn’t

julho 25, 2006 at 11:57 pm (abstraindo, matutando)

Isacco respinge Esaù, atribu�do à Giotto di Bondone (1290-1295)O New York Times de ontem trouxe um artigo que explica muito bem como os conflitos e agressões domésticas e políticas se escalam: He Who Cast the First Stone Probably Didn’t, por Daniel Gilbert. Virtualmente em todas as sociedades e religiões, a retribuição de uma agressão dá justificativa aceitável para fazer-se aquilo que seria proibido em outras condições. Mas estudos recentes mostram que o indivíduo se lembra das causas de suas próprias ações, mas somente das consequências das ações do outro — isto é, o indivíduo usualmente não se lembra do que fez para causar uma ação do outro.

In a study conducted by William Swann and colleagues at the University of Texas, pairs of volunteers played the roles of world leaders who were trying to decide whether to initiate a nuclear strike. The first volunteer was asked to make an opening statement, the second volunteer was asked to respond, the first volunteer was asked to respond to the second, and so on. At the end of the conversation, the volunteers were shown several of the statements that had been made and were asked to recall what had been said just before and just after each of them.

The results revealed an intriguing asymmetry: When volunteers were shown one of their own statements, they naturally remembered what had led them to say it. But when they were shown one of their conversation partner’s statements, they naturally remembered how they had responded to it. In other words, volunteers remembered the causes of their own statements and the consequences of their partner’s statements.

Um outro estudo conduzido no University College London mostra que as pessoas tendem a retribuir cutucadas com força 40% maior…

Although volunteers tried to respond to each other’s touches with equal force, they typically responded with about 40 percent more force than they had just experienced. Each time a volunteer was touched, he touched back harder, which led the other volunteer to touch back even harder. What began as a game of soft touches quickly became a game of moderate pokes and then hard prods, even though both volunteers were doing their level best to respond in kind.

Each volunteer was convinced that he was responding with equal force and that for some reason the other volunteer was escalating. Neither realized that the escalation was the natural byproduct of a neurological quirk that causes the pain we receive to seem more painful than the pain we produce, so we usually give more pain than we have received.

José atirado no poço, por Messire Jehan de Mandeville (1360-1370)A tragédia aumenta quando os adversários não são do mesmo tamanho. Em 28 de fevereiro o New York Times trouxe Beyond Rivalry, a Hidden World of Sibling Violence, Katy Butler fala de como os grandes intimidam os pequenos, e se estes tentam retribuir as coisas pioram. E os pais confortavelmente ignoram o que acontece debaixo do seu nariz. Ano passado li um livro um tanto chocante mas muito elucidativo, A Natural History of Families, por Scott Forbes. O autor descreve como em várias espécies — inclusive a humana — a rivalidade entre irmãos é alimentada pelos pais que, conscientemente ou não, querem ver os filhos disputando pelo seu amor e cuidados. O que nos faz humanos é lutar contra tal impulso, mas ainda assim o impulso é forte e persistente, mesmo que os recursos para cuidar da prole sejam abundantes. Amor fraterno e proteção dos mais fracos são construções sociais da civilização humana — nada naturais.

Lá em cima está Isacco respinge Esaù (1290-1295), um afresco na Basilica di San Francesco em Assisi, atribuído à Giotto di Bondone. Mais abaixo, José atirado no poço, uma iluminura para o livro do Gênesis por Messire Jehan de Mandeville (1360-1370), J. Paul Getty Museum em Los Angeles.


		

1 Comentário

  1. sigsag said,

    Gostei mais dessa nova edição. As imagens foram muito bem escolhidas. Já sobre irmãos… melhor deixar quieto… rsss

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: